Conhecendo Madison, a Capital de Wisconsin – Parte II – Passeios Gastronômicos

Uma das minhas partes prediletas quando monto o roteiro de qualquer viagem é selecionar meus passeios gastronômicos, afinal, comer bem pode ser uma das melhores experiências de qualquer viagem.

Não foi nada difícil encontrar opções ótimas em Madison, por alguns motivos. Primeiro, como já comentado no post anterior, Madison é uma cidade universitária, ou seja, um prato cheio para restaurantes e bares que gostam de inovar e criar sem medo da rejeição de comunidades mais, digamos, conservadoras (para não dizer antiquadas).

Começamos pelo Gates & Brovi, um restaurante-bar que serve um cardápio especial de hambúrguers e sanduíches, e que conta com uma carta de cervejas artesanais mais do que completa. Começamos pela entrada deliciosa de cheese curds (Wisconsin!!!). De acordo com minha amiga Quézia “o melhor hamburguer já experimentado na vida!” – ela disse que dirigiria 3 horas só para comer aquele hambúrguer e depois voltar para casa. Eu concordo, a comida é uma delícia, o ambiente muito descontraído (e totalmente familiar durante o dia, mas acredito que menores não possam entrar depois das 22h), o serviço é muito bom e o preço bem justo (cerca de $15 por pessoa, com bebidas não alcoólicas).








Fomos também conhecer o restaurante belga Brasserie V – de todos, o que eu estava mais animada, e foi outra experiência muito boa. Pedimos uma tábua de queijos de entrada, afinal, estando em Wisconsin não tinha como não provar queijos deliciosos, e eu me joguei no meu croque monsieur (puro amor), que na verdade sogreu um upgrade com um ovo frito, tornando-se então um belíssimo croque madame, com uma taça de vinho branco. O prato mais caro do Brasserie V é o pato, que custa $20, ou seja, um restaurante de muita qualidade e que super vale a pena. O ambiente é muito aconchegante, com uma decoração que remete mesmo a Europa, só que sem nuvens de fumaça de cigarro sobre as nossas cabeças (ufa!).





Outro lugar que foi muito bem avaliado internet afora e que fomos almoçar foi um pub chamado The Coopers Tavern – que infelizmente eu esqueci de tirar fotos, por isso estou usando uma do site deles, porque o lugar é super descontraído (um pub, né Gisele?!?), bem em frente ao Capitólio, super movimentado, realmente, um lugar ‘descolado’. A Quézia e o Danilo pediram uma entrada de fritas com queijo derretido (Wisconsin!!!) e gravy, e nós pedimos um pretzel com molho de queijo (Wisconsin!!!) com cerveja artesanal, uma delícia. Depois pedimos sliders (eu pedi, são três mini-hamburgueres com queijo gruyère), sanduíches e hambúrgueres do tamanho convencional. A média de preço segue a mesma dos outros lugares.





O restaurante mais legal e aprovado por nós quatro na viagem foi onde tivemos nosso último jantar, o Eno Vino Bar & Bistro. O lugar, apesar de ter sido o mais sofisticado de todos, foi curiosamente o mais acolhedor também. Chegamos lá por volta das 22h e eles não serviam mais o menu completo do jantar, apenas o menu do bar – que foi sensacional. Quézia e eu provamos seis tipos diferentes de bruschetta, uma mais diferente e maravilhosa que a outra, o Josh pediu uma pizza brotinho espetacular, e o Danilo pediu um prato de pasteizinhos de atum no estilo asiático. No final, pedimos uma sobremesa (que era para ter sido fondue, mas infelizmente eles estavam sold out), então nossa super simpática garçonete nos sugeriu o bread pudding com sorvete de caramelo salgado e nós acatamos. No final, com as bebidas, tudo ficou por cerca de $25 por pessoa. Eu pretendo voltar no Eno Vino, vale a pena, o lugar é realmente fantástico.







Entre sorvetes em downtown e cheesecakes na feirinha do centro, encontramos duas lojas de chocolates que não poderiam ficar de fora deste post.

A primeira delas, a Madison Chocolate Company, simplesmente encantadora, de chocolates artesanais, e o melhor de tudo, todos os produtos são 100% gluten free! Isso para mim significa algo especial, porque minha melhor amiga é celíaca, e eu sei muito bem como é difícil encontrar lugares onde celíacos ou pessoas com outras doenças crônicas potencializadas pela ingestão de glúten (como é o caso da dona dessa loja, eu conversei com ela) sintam-se totalmente seguros em comer algo sem o medo de intoxicação através de contaminação cruzada. O chocolate de lá é incrível, e ela fabrica tudo lá mesmo. Os sabores variam dos mais convencionais, como trufas e bombons recheados, como sabores exóticos, como uma trufa de manjericão que nós provamos. O preço, obviamente, é mais alto do que a média, mas a experiência é incrível, e dar apoio a pequenos negócios como este fazem toda diferença. O chocolate é de extrema qualidade, e o atendimento é muito, muito acima da média (além do lugar ser uma graça).


A segunda e última loja de chocolates é a Kilwins, que fica bem próxima ao Capitólio, na beiradinha de downtown Madison. Essa loja é daquelas que o aroma se espalha pela rua, convidativo de uma maneira quase provocadora. Irresistível. O conceito desta loja é diferente, porque é uma franquia de uma rede espalhada por todo o país. Mas isso não diminui sua mágica. A loja é linda, os chocolates tem o aspecto mais artesanal, assim como os sorvetes vendidos lá (Josh comeu um sabor cheesecake, todos são de massa), os detalhes das embalagens, a vitrine, os funcionários e o atendimento, tudo muito charmoso. O preço é bem mais camarada também, e eu ataquei quatro ou cinco tipos de doces com chocolate branco (o único que eu realmente gosto). Algumas das atrocidades encontradas nessa loja incluem: oreos cobertos com chocolate, pretzels cobertos com chocolate, barras e mais barras de fudge em pedaços de diversos sabores, todos os tipos de trufas, bombons e barrinhas, e claro, os sorvetes. Sim, vale a pena.


Então é isso, um resumo dos quilos adquiridos no feriado em um único post. Ah! Não falei do café da manhã porque comemos no hotel (incluso), mas essa parte vocês já podem imaginar, né?

Madison, se você não for até lá pela sua beleza, vá pela sua comida.

Gi

Anúncios

Todd’s English P.U.B. – Assistindo Futebol em Las Vegas 

Ontem à noite fui jantar com meus colegas de trabalho no Todd’s Pub, um lugar super legal e aconchegante aqui em Vegas.

Teve jogo ontem, USA x Argentina, e a turma queria assistir. Escolhemos o Todd’s e foi muito bom.

Localizado no The Shops no Crystals – ARIA Las Vegas

Não rolou telão, mas todas as televisões estavam ligadas no jogo de futebol. Minha chefe, que é americana, é louca por futebol (acreditem ou não), então foi bem divertido (bom, não tanto para ela depois do terceiro gol da Argentina), mas para todos nós a comida realmente foi o que valeu a pena.

Eu pedi um grilled bologna que estava sensacional! O prato veio com chips é um cookie, tudo feito na casa (inclusive o bologna que é tipo primo da mortadela).

Eu não bebo, mas morri de rir com as frases nos suplaits da mesa, tanto que tirei uma foto de uma delas:

Não é bem assim, Mr. Sinatra… Rs!

Gi

5 Passeios Gastronômicos em Las Vegas

Eu não sei vocês, mas para mim as atrações gastronômicas (para não dizer gordices) são umas das partes mais legais das viagens!

Vou dar aqui cinco dicas que nós adoramos, em quatro hotéis diferentes.

1. Buffet do Bellagio 


Nós fomos jantar lá na nossa primeira noite e adoramos porque são diversas opções de pratos, muitas variedades de sobremesas, as bebidas não alcoólicas são inclusas e a qualidade da comida é bem boa. Juntos nós pagamos $78, mas o Buffet do almoço é mais barato, assim como o Buffet do café da manhã.

2. New York Pizzeria do New York, New York


O atendimento aqui é fast-food, então não tem glamour nenhum. A pizza é gostosa, mas bem engordurada – NY style, gente. O atendimento lá foi ótimo, e é uma opção mais barata também. Nós gastamos $18 com duas fatias gigantes de pizza e dois refrigerantes gigantes também. 

3. Brunch do Stratosphere


O brunch do Stratosphere é ótimo! Tem muitas variedades de pães, bolos, muffins, cookies, frutas, um omelette bar super completo com um chef preparando as omeletes na hora com os condimentos que você escolher, queijos, bacon, sausage, biscuits and gravy, doughnuts, sucos, leite, café… Enfim, tudo o que você pode imaginar. As opções de café da manhã são maiores do que as de almoço para ser um brunch, mas valeu muito a pena. O valor é ótimo, nós dois gastamos $34, o que realmente é um preço mega bom. 

5. Mon Ami Gabi do Paris 


Este restaurante é lindíssimo, ambiente delicioso, serviço ótimo, e comida sensacional. É à la carte, mas as opções e os preços variam bastante. Josh e eu pedimos o mesmo prato, esse Croque Madame, estava super bem feito! Eles servem um pão francês de entrada com uma manteiga deliciosa, então a comida aqui foi aprovadissima. Entre nós dois gastamos $40, sem bebida alcoólica.

5. Roxy’s Diner no Stratosphere 


Na nossa última noite em Vegas decidimos jantar no nosso próprio hotel, e olha… Como é bom se surpreender com as coisas! A gente sabia que não seria ruim, mas não imaginávamos que a noite teria sido tão divertida e a comida tão deliciosa! 

O ambiente total retro dos anos 60, o que eu amo pouco, a animação dos garçons e garçonetes, o atendimento excelente, a criatividade do menu… De verdade, só elogios! Os garçons são cantores, dedicam músicas de época aos clientes, e a gente até viu um casal de noivos (sim, véu, grinalda, buquê e smoking!) dançar sua primeira música depois de casados lá dentro. Foi demais! 

Nós pedimos de sobremesa um bolo de morango com chantilly que não sobrou nada pra contar a história hahaha! No total foram $40 muito bem gastos entre o Josh e eu. 

Foram essas as nossas principais gord…quer dizer, nossos principais passeios gastronômicos em Vegas! 

Gi