O Que Comer Numa Low Carb?

A querida leitora Gabriella me escreveu na semana passada com este pedido especial para o post de hoje. É claro que, dentro das minhas possibilidades (e da minha condição de não-nutricionista, não-chefe de cozinha e não-expert sobre o assunto) não poderia deixar de atendê-la.

O fato é que esta é a maior dúvida das pessos quando decidem mudar seu estilo de alimentação e adotar uma dieta baixa em carboidratos. “O que você come de café da manhã?” é a pergunta mais frequente, e geralmente a primeira de uma série que tem a ver justamente com isso.

Para responder esta pergunta, primeiro precisamos definir algumas coisas. A sua alimentação tem o intuito de a) apenas ajudá-la a emagrecer, b) buscar uma vida mais saudável ou c) as duas opções?

Quando falamos sobre alimentação baseada no baixo consumo de carboidratos e consumo da gordura natural dos alimentos, podemos seguir por dois caminhos distintos. O primeiro, que é o que eu procuro seguir, é o caminho que evita o consumo de produtos industrializados, ou seja, mais natural. O segundo, que inclui o consumo de produtos industrializados. Então, a verdade é que o seu cardápio vai depender do seu objetivo.

Como não sou médica e não posso sugerir nenhum tipo de cardápio a nenhuma pessoa, o máximo que posso fazer é compartilhar algumas das refeições, minhas e de duas amigas, para, digamos, aguçar a sua criatividade. Vamos lá:

Ceviche de peixe branco e mexilhões

Abóbora japonesa de forno recheada com frango e queijo muçarela

Posta de tilápia grelhada com camarões e salada

Omelete de queijo, tomates e cogumelos (restaurante)

Ribeye com arroz de couve-flor e brócolis na manteiga

Ribeye com salada (restaurante)

Filé com ovo frito e espinafre, todos feitos na manteiga

Moqueca de peixe com salada de folhas

Palmito assado na brasa (restaurante)

Creme de abóbora com bacon (restaurante)

Atum com legumes (dispensei o arroz – restaurante)

Pão cetogênico de microondas

Hambúrguer com ovo, bacon e queijo acompanhado de batata doce frita (restaurante)

Ovos mexidos com muçarela derretida na chapa com azeite trufado

Costela de porco feita na airfryer e batata doce

Coxas de frango e salada da Mulher Maravilha

Filé de Peixe empanado com pururuca processada e parmesão e salada

Churrasco com legumes na manteiga e tomate cereja

Carne louca e batata doce

Carne louca e salada de folhas

Omelete com cebola roxa, manjericão fresco e queijo de cabra

Cheesecake low carb

Então, como podemos perceber, este estilo de vida é realmente muito complicado de ser seguido por ser tão restritivo e sem sabor! :’D

Brincadeiras a parte, eu sempre indico este post do blog do Dr. Souto com muitas fotos de sugestões de pratos low carb.

Espero ter ajudado, e quero agradecer às minhas amigas Dete e Chris que me cederam o uso de algumas das fotos publicadas, vocês não tem noção do quanto essas duas cozinham (sorte a minha que moro perto delas hahaha!).

É isso, gente.

Gi

Anúncios

Repita o Mantra: “Desembrulhe Menos, Descasque Mais” – E Segue o Baile!

Como mencionei em meu post de saída do armário – muito prazer, sou low carber – o estilo de alimentação que eu sigo é o mais natural possível, portanto, que remeta ao máximo a alimentação dos nossos colegas ancestrais da Era paleolítica.

Qual é a diferença entre uma dieta paleolítica e uma dieta de baixo carboidrato (LCHF)? A gente precisaria fazer esta pergunta a um médico nutrólogo ou a um nutricionista para obter uma resposta exata e muito técnica. Mas eu, Gisele, usuária intermediária (não me considero uma leiga total no assunto), posso explicar superficialmente, ao estilo “Explanations for Dummies”, como uma delas difere da outra. Vamos lá:

1) Uma alimentação paleo é 100% natural, porém não é necessariamente baixa em carboidratos – ela inclui alimentos com maiores quantidades de amido, como a batata branca, por exemplo, e não existe promessa de emagrecimento em aderí-la (já voltaremos nesta ultima parte).

2) Uma alimentação baixa em carboidratos como a LCHF poderá incluir alimentos processados, como por exemplo os refrigerantes diet, que assim como outros produtos industrializados são baixíssimos (ou até mesmo nulos) em porcentagem de carboidratos, mas que não auxiliam na melhoria da nossa saúde – portanto, podem se tornar fatores prejudiciais ao processo de perda de peso (já voltaremos nesta ultima parte).

Ou seja, se seguidos separadamente, estes dois estilos de alimentação oferecem, como tudo na vida, prós e contras. E é por isso que, conforme eu aprendi com a minha coach de emagrecimento, Patrícia Tassinari, e conforme estudei em diversos livros, artigos e sites (como o Blog do Dr. José Carlos Souto), a alimentação ideal para quem quer 1) melhorar muito a saúde e 2) sofre de doenças metabólicas (como a obesidade, doenças do coração – incluindo hipertensão, diabetes, etc) é a junção de ambas – uma alimentação natural de baixo carboidrato, ou, uma dieta paleo-low carb.

Voltando às “Explanations for Dummies” – lembrando que eu sou a Dummy mestre – uma alimentação exclusivamente paleo (ou seja, desconsiderando a quantidade de carbos do que for consumido) pode emagrecer? DEPENDE. Imagina que uma pessoa, acima do peso e com problemas de saúde, vive à base de produtos industrializados, cheios de sódio, conservantes, açúcares de todos os tipos, come fast food várias vezes na semana, bebe muito refrigerante, etc, etc, etc… Se este indivíduo decide eliminar todos estes processados e passa a se alimentar somente com produtos naturais (carnes, folhas, legumes, tubérculos, etc), é MUITO PROVÁVEL que ele irá perder peso consideravelmente, mesmo consumindo alimentos com mais carboidrato. Sua saúde irá melhorar, sem dúvidas, e haverá um impacto positivo em seu organismo. Porém, algumas pessoas, quando se trata de emagrecimento, são menos tolerantes ao consumo do carboidrato – AINDA QUE DE ALIMENTOS NATURAIS – e podem ter um resultado menor do que se controlassem o consumo do mesmo.

Continuando, quanto ao segundo tópico – como e quando alimentos processados com baixo ou nulo carboidrato podem prejudicar o emagrecimento? Primeiro de tudo: a ciência prova que o consumo de adoçantes artificiais é extremamente prejudicial à saúde (pesquise). Quanto aos adoçantes naturais, como o stevia, o xilitol e o eritritol, é claro que são muito menos impactantes e prejudiciais ao nosso organismo, PORÉM, se o intuito é aderir a um estilo de vida saudável, a parte psicológica é tão importante quanto a parte fisiológica. Se “enganamos” nosso cérebro com o uso de adoçantes não calóricos naturais (como os mencionados acima), será mais difícil de se desprender às vontades do consumo de doces e massas, porque o paladar não está sendo treinado para degustar todos os outros sabores. Nossos corpos foram desenhados para degustar não somente do doce, mas também do salgado, do azedo, do amargo, e umami. É importante termos esta consciência para que o doce não seja um ‘controlador’ das nossas vidas, variando nosso humor, nossos desejos, e nem servindo como tapa-buraco de emoções.

A história aqui é bem simples – desembrulhe menos, descasque mais. Não tem segredo. Busque informações a respeito dos alimentos naturais com uma quantidade inferior de carboidratos, como a batata doce, a abóbora, a mandioca, por exemplo, e dê preferência a eles. No demais, pense no seguinte: se Deus quisesse que a Cheetos, pão integral e Coca-Cola zero fossem combustíveis para o nosso corpo, teríamos “pé de Cheetos”, “árvore de pão” e riachos de “Coca-Cola zero” em abudância no jardim do Éden! Há!

Piadinhas a parte, tudo o que é natural, incluindo a gordura natural dos alimentos, faz bem à saúde. Tudo o que é processado, deve ser evitado ao máximo.

Espero que este post tenha ajudado de alguma forma!

Por hoje é só.

Gi

5 Coisas Para Aumentar a Auto-Estima Imediatamente

1) Sua Aparência Importa

Sim, existem milhares de coisas mais importantes do que a nossa aparência: a nossa saúde, as contas pra pagar, cuidar da casa, cuidar da família, a reunião de condomínio, levar os cachorros pro pet, aguar as plantas, afofar as almofadas, responder os grupos do WhatsApp, estabelecer a paz mundial, etc, etc, etc… Todos nós sabemos disso. Mas, de que adianta bancar o super-herói todos os dias para todas as outras pessoas e esquecer de cuidar de nós mesmos? Não adianta muito. Uma hora essa bomba-relógio explode e você vai se sentir ainda mais sobrecarregado tentando correr atrás do prejuizo. Aliás, sendo ainda mais fatídica, o tempo é algo que não volta nunca, jamais. Simples assim. Um dia você vai acordar e vai perceber que uma década se passou e você simplesmente se perdeu em algum momento dentro dela. Sua aparência importa! Não importa só para os outros, mas principalmente para você! Sua aparência é o reflexo do que acontece dentro da sua cabeça, sabia disso? Se você não consegue encontrar tempo, vontade ou motivação para se cuidar, posso afirmar com toda certeza: o problema vem de dentro. Então reflita e faça algo por você!

2) Mudanças, Sim!

Eu sou uma pessoa resistente à grandes mudanças. Não precisa me conhecer muito para perceber esse traço da minha personalidade. Mas também não precisa me conhecer bem para notar que não tenho o menor medo em mudar pequenas coisas da minha vida. Pequenas, digo, inofensivas, mas que podem sim causar um enorme impacto. Meu cabelo é o maior exemplo de todos! Nada melhora mais a minha auto-estima do que mudar meu cabelo! E voltando um pouco na dica anterior, se você é daquelas pessoas que “não abre mão do cabelão de jeito nenhum” mas que simplesmente não consegue cuidar dele como necessário, talvez seja hora de considerar uma mudança! Vive de coque, rabo de cavalo, tem muito cabelo e só consegue “dar um jeito” nele uma ou duas vezes na semana? Colega, é hora de mudar! Vá no salão, corte, pinte, busque sua melhor versão. Falando nisso, nada como encontrar nosso próprio estilo de roupas e acessórios. Você pode fazer muitos testes na internet para descobrir melhor o estilo que combina com você – e se puder, contrate um profissional que te auxilie neste processo. Não tenha medo em mudar ou assumir totalmente o seu estilo, isso apodera!

3) Aquela Roupa Especial

Falando em roupas e acessórios, todo mundo tem aquele look especial, quase “de estimação”, que só usa em ocasiões mais especiais, né? Sabe o que eu descobri? Que podemos usá-lo como “norte” para compor todo o nosso guarda-roupa. Como assim? Eu explico. Você precisa identificar a sensação que tem quando veste esta roupa especial: como você se sente? Provavelmente, muito bem, mais bonita, elegante, ou sexy, ou poderosa, etc. Por que esta roupa faz com que você se sinta assim? É a cor, o tecido, o corte, o caimento? No meu caso, meus looks especiais são geralmente compostos por vestidos e salto alto, mas não posso usar um vestido e um par de sapatos de festa para o trabalho, né? O que eu fiz, então? Coletei todas as informações desse look e transportei para a busca de peças que sejam mais adequadas ao trabalho (e outras ocasiões), mas que tenham estes elementos que fazem minha auto-estima levantar! Então passei a usar mais vestidos com fundos escuros e estampas diversas, meias-calças, e o salto muitas vezes não é um scarpin, mas uma ankle boot, ou seja, poderosa mas confortável. Estes são apenas exemplos, mas você pode fazer isso com absolutamente qualquer tipo de roupa. Componha sua personalidade!

4) Desapegue

Compor e afirmar a nossa personalidade através do closet: esse tema não é possível de ser abordado sem falar do maravilhoso ato de desapegar. Quantas peças de roupa você provavelmente tem estocadas no seu armário que não tem absolutamente nada a ver com você? Isso acontece muitas vezes não porque compramos errado, necessariamente, mas porque acumulamos coisas de várias épocas das nossas vidas. Na minha última grande limpeza do closet eu tirei roupas e sapatos que eu tinha certeza absoluta que não voltaria a usar, pelo menos não pela próxima década (a moda sempre volta, mas existe uma grande diferença entre ser retro e ser um acumulador de tralhas!). Desapegue de: roupas fora de moda, estampas que não te agradam, roupas maiores que o seu número, roupas gastas, sapatos gastos, sapatos que você não usa porque te machucam, sapatos fora de moda, ítens repetidos desnecessariamente, coisas manchadas ou furadas, simplesmente DESAPEGUE! “Tire o velho para dar lugar ao novo”, tá até na bíblia isso. Renove os ares e organize tudo o que ficar.

5) Uma Por Dia

Eu não posso escrever sobre auto-estima e deixar de fora o tema ‘alimentação’. Honestamente, não estou com muita vontade de escrever sobre a minha reeducação alimentar, este texto não é sobre isso. Só que é inevitável dizer o seguinte: se alimentar melhor aumenta a auto-estima. E não estou falando em perder peso. Estou falando em buscar saúde. Então fica aqui minha dica: comece com apenas uma escolha por dia. Apenas uma. “Hoje vou beber água”, ou “Hoje vou comer salada no almoço”, ou “Hoje vou experimentar um legume novo”. Uma coisa só por dia, todos os dias. Você vai perceber um universo de possibilidades se abrir diante dos seus olhos, vai conseguir desmistificar certas coisas, conhecer outras, e até mesmo descobrir outras. Uma por dia, apenas uma.

Foque em você, sempre.

Gisele

Nós Somos Bicho

Eu não sou muito de ir em médico pra coisa nenhuma, mas lembro bem dos médicos que cuidaram de mim durante toda a infância. Eu nasci e cresci em São Paulo, um estado que teve a sorte de receber muitos imigrantes japoneses. Ambos, Dra. Yvete, minha pediatra, e Dr. Mario Yamashita, meu otorrino, eram japoneses.

Lembro de um episódio desses ‘clássicos da infância’ em que tive um tipo qualquer de virose. Devia ter por volta de 8 anos de idade e, naquela época, eu ainda não era muito boa de prato. Nunca fui uma criança obesa, mas também nunca fui magrela. Era, como sempre ouvi, ‘normal’. E neste episódio, mamãe me levou à clínica da Dra. Yvete. Ah! Como tudo era mais simples e despretencioso naquela época.

A Dra. Yvete me receitou um remédio de gosto horroroso, mas de uma coloração tão, mas tão rosa-choque, que eu conseguia até ficar feliz em ter que tomá-lo. Era o remédio (líquido, por sinal) cor-de-rosa mais fosforescente que você pode imaginar. Acompanhadas do remédio, as seguintes recomendações: “Comida: fria. Não tem fome, não come. Gelatina e Coca-Cola, a hora que quiser.” Eu sarei. 

Depois de alguns anos, foi o consultório do Dr. Yamashita o que eu mais frequentei. Foi a fase das intermináveis dores de ouvido e dores de garganta que toda criança passa. Naquela época, já acompanhada da Letícia (minha irmã, caçula). Eu ficava impressionada com a precisão do Dr. Yamashita e com tudo naquele lugar. Até hoje, lembro exatamente da sala de espera e do consultório que era dividido em duas partes, uma com sua escrivaninha, e a outra com a maca e as luminárias que brilhavam e ardiam os olhos apontadas para a nossa cara. Era demais.

O Dr. Mario Yamashita, imagino, já conseguia, naquala época, detectar os meus primeiros sinais de obesidade pré-adolescente (dos onze aos treze anos eu estive bem acima do peso) – bem como o total desinteresse da minha irmã pela comida, no geral. Éramos, naquela época, dois pequenos opostos de ‘fim de infância/início de puberdade’ e ‘fim de desfralde/início de autonomia infantil’. Eu não tinha o menor problema com a comida, minha irmã tinha quase todos.

Meu otorrino era um médico de poucas e sábias palavras. Quisera tê-lo ouvido naquela época, pois teria me poupado de tantos problemas… Ele dizia o seguinte: “Observe a natureza. Os animais bebem água. Os animais comem planta. Os animais comem fruta. Outros, comem carne. Bicho não bebe leite. Bicho não bebe suco. Bicho não bebe refrigerante. Bicho não come açúcar. Nós somos bicho. Temos que comer e beber como bicho.”

Tudo, tudo o que eu levei uma vida toda para entender, simplesmente explicado em pouquíssimas frases pelo médico que cuidou de mim ainda tão nova. Aquele homem, que já era um senhor naquela época, não era necessariamente um visionário (se pensarmos na era paleo/low carb que vivemos atualmente) – ele era prático, simples, era, na verdade, muito óbvio! Ele, meu querido otorrino, Dr. Mario Yamashita, estava certo o tempo todo.

A medicina evoluiu, as doenças também. Ou vice-versa. Acho que uma coisa puxa a outra, na verdade. Mas quase ninguém pensa ou enxerga as indústrias alimentícias e farmacêuticas como o que elas realmente são: máquinas de dinheiro. Primeiro, eles nos entopem com tudo o que nos prejudica, e depois tentam nos consertar com produtos químicos de todos os tipos. Isso é contra a nossa natureza. “Nós somos bicho.”

Hoje quando chegar em casa, faça um exercício. Abra sua dispensa e sua geladeira e procure tudo o que é processado. Adoçante químico é algo que não existe na natureza. É como plástico. Cada vez que você ingere qualquer adoçante químico, é como se estivesse comendo um pedaço de tupperware. Como isso pode ser bom? Como podemos beber líquidos que não conseguimos se quer detectar do que são compostos? Como isso não é assustador?

Eu não quero soar hipócrita. Não quero mesmo. Mas há uma venda enorme caindo dos meus olhos por estes tempos, e é chocante. A realidade é chocante. Precisamos pensar que nossos corpos não são compactadoras de lixo. Não foi assim que Deus nos criou. Temos que cuidar bem dele, é tudo o que nos resta. 

Desejo a você uma vida mais consciênte, com escolhas que apenas te façam bem. Lembre-se do que o Dr. Yamashita dizia. Nos somos bicho – mas precisamos ser mais racionais. É a nossa condição.

É isso.

Conhecendo Madison, a Capital de Wisconsin – Parte II – Passeios Gastronômicos

Uma das minhas partes prediletas quando monto o roteiro de qualquer viagem é selecionar meus passeios gastronômicos, afinal, comer bem pode ser uma das melhores experiências de qualquer viagem.

Não foi nada difícil encontrar opções ótimas em Madison, por alguns motivos. Primeiro, como já comentado no post anterior, Madison é uma cidade universitária, ou seja, um prato cheio para restaurantes e bares que gostam de inovar e criar sem medo da rejeição de comunidades mais, digamos, conservadoras (para não dizer antiquadas).

Começamos pelo Gates & Brovi, um restaurante-bar que serve um cardápio especial de hambúrguers e sanduíches, e que conta com uma carta de cervejas artesanais mais do que completa. Começamos pela entrada deliciosa de cheese curds (Wisconsin!!!). De acordo com minha amiga Quézia “o melhor hamburguer já experimentado na vida!” – ela disse que dirigiria 3 horas só para comer aquele hambúrguer e depois voltar para casa. Eu concordo, a comida é uma delícia, o ambiente muito descontraído (e totalmente familiar durante o dia, mas acredito que menores não possam entrar depois das 22h), o serviço é muito bom e o preço bem justo (cerca de $15 por pessoa, com bebidas não alcoólicas).








Fomos também conhecer o restaurante belga Brasserie V – de todos, o que eu estava mais animada, e foi outra experiência muito boa. Pedimos uma tábua de queijos de entrada, afinal, estando em Wisconsin não tinha como não provar queijos deliciosos, e eu me joguei no meu croque monsieur (puro amor), que na verdade sogreu um upgrade com um ovo frito, tornando-se então um belíssimo croque madame, com uma taça de vinho branco. O prato mais caro do Brasserie V é o pato, que custa $20, ou seja, um restaurante de muita qualidade e que super vale a pena. O ambiente é muito aconchegante, com uma decoração que remete mesmo a Europa, só que sem nuvens de fumaça de cigarro sobre as nossas cabeças (ufa!).





Outro lugar que foi muito bem avaliado internet afora e que fomos almoçar foi um pub chamado The Coopers Tavern – que infelizmente eu esqueci de tirar fotos, por isso estou usando uma do site deles, porque o lugar é super descontraído (um pub, né Gisele?!?), bem em frente ao Capitólio, super movimentado, realmente, um lugar ‘descolado’. A Quézia e o Danilo pediram uma entrada de fritas com queijo derretido (Wisconsin!!!) e gravy, e nós pedimos um pretzel com molho de queijo (Wisconsin!!!) com cerveja artesanal, uma delícia. Depois pedimos sliders (eu pedi, são três mini-hamburgueres com queijo gruyère), sanduíches e hambúrgueres do tamanho convencional. A média de preço segue a mesma dos outros lugares.





O restaurante mais legal e aprovado por nós quatro na viagem foi onde tivemos nosso último jantar, o Eno Vino Bar & Bistro. O lugar, apesar de ter sido o mais sofisticado de todos, foi curiosamente o mais acolhedor também. Chegamos lá por volta das 22h e eles não serviam mais o menu completo do jantar, apenas o menu do bar – que foi sensacional. Quézia e eu provamos seis tipos diferentes de bruschetta, uma mais diferente e maravilhosa que a outra, o Josh pediu uma pizza brotinho espetacular, e o Danilo pediu um prato de pasteizinhos de atum no estilo asiático. No final, pedimos uma sobremesa (que era para ter sido fondue, mas infelizmente eles estavam sold out), então nossa super simpática garçonete nos sugeriu o bread pudding com sorvete de caramelo salgado e nós acatamos. No final, com as bebidas, tudo ficou por cerca de $25 por pessoa. Eu pretendo voltar no Eno Vino, vale a pena, o lugar é realmente fantástico.







Entre sorvetes em downtown e cheesecakes na feirinha do centro, encontramos duas lojas de chocolates que não poderiam ficar de fora deste post.

A primeira delas, a Madison Chocolate Company, simplesmente encantadora, de chocolates artesanais, e o melhor de tudo, todos os produtos são 100% gluten free! Isso para mim significa algo especial, porque minha melhor amiga é celíaca, e eu sei muito bem como é difícil encontrar lugares onde celíacos ou pessoas com outras doenças crônicas potencializadas pela ingestão de glúten (como é o caso da dona dessa loja, eu conversei com ela) sintam-se totalmente seguros em comer algo sem o medo de intoxicação através de contaminação cruzada. O chocolate de lá é incrível, e ela fabrica tudo lá mesmo. Os sabores variam dos mais convencionais, como trufas e bombons recheados, como sabores exóticos, como uma trufa de manjericão que nós provamos. O preço, obviamente, é mais alto do que a média, mas a experiência é incrível, e dar apoio a pequenos negócios como este fazem toda diferença. O chocolate é de extrema qualidade, e o atendimento é muito, muito acima da média (além do lugar ser uma graça).


A segunda e última loja de chocolates é a Kilwins, que fica bem próxima ao Capitólio, na beiradinha de downtown Madison. Essa loja é daquelas que o aroma se espalha pela rua, convidativo de uma maneira quase provocadora. Irresistível. O conceito desta loja é diferente, porque é uma franquia de uma rede espalhada por todo o país. Mas isso não diminui sua mágica. A loja é linda, os chocolates tem o aspecto mais artesanal, assim como os sorvetes vendidos lá (Josh comeu um sabor cheesecake, todos são de massa), os detalhes das embalagens, a vitrine, os funcionários e o atendimento, tudo muito charmoso. O preço é bem mais camarada também, e eu ataquei quatro ou cinco tipos de doces com chocolate branco (o único que eu realmente gosto). Algumas das atrocidades encontradas nessa loja incluem: oreos cobertos com chocolate, pretzels cobertos com chocolate, barras e mais barras de fudge em pedaços de diversos sabores, todos os tipos de trufas, bombons e barrinhas, e claro, os sorvetes. Sim, vale a pena.


Então é isso, um resumo dos quilos adquiridos no feriado em um único post. Ah! Não falei do café da manhã porque comemos no hotel (incluso), mas essa parte vocês já podem imaginar, né?

Madison, se você não for até lá pela sua beleza, vá pela sua comida.

Gi

Quando o Assunto é a Balança


Recebo dezenas de mensagens de mulheres que me acompanham pelas redes sociais todas as vezes que o assunto abordado é peso. É impressionante enxergar a sede que tantas pessoas tem – e que, na minha opinião, vai além de uma simples curiosidade – em tentar entender como alguém consegue perder peso.

Eu mesma acompanho algumas mulheres que falam especificamente disso na internet, mas nenhuma delas é considerada como um modelo a se seguir da vida fitness. Por quê? Porque são pessoas de verdade, contando as reais histórias dos seus corpos e da sua relação com a comida.

Por algum tempo, evitei falar a respeito da minha própria reeducação alimentar. Minha própria melhor amiga demonstrou uma preocupação profunda com o fato de que me expondo tanto quanto eu fazia, poderia mais me prejudicar do que me ajudar. Ela tem razão.

Não é fácil colocar a cara a tapa quando se trata do nosso próprio corpo. Não é fácil lidar com críticas, principalmente quando os ‘juízes’ decidem apitar seu jogo sem nem ao menos compreender todas as regras que o cercam. A dificuldade de escrever, gravar, fotografar e postar sobre emagrecimento é tão grande quanto o próprio processo de emagrecer. Uma caminhada cheia de obstáculos.

Porém, uma coisa que tento levar comigo para tudo na vida é que ser transparente é sempre a melhor opção. Eu não sei viver pela metade, não sei fazer nada pela metade. Se entro, entro de cabeça. E graças ao post de ontem, percebi que posso ajudar tantas pessoas através da minha própria experiência, tantas, que decidi correr este risco!

Então, vamos deixar algumas coisas bem claras. Primeiro, e mais importante de tudo: eu vou falhar. Vou comer doce, vou comer massas, vou em restaurantes, vou agir como uma pessoa absolutamente normal. Não vou perder peso toda semana, não é esse o meu objetivo, pois conheço meu corpo e entendo minhas limitações. Não vou me comprometer a abrir o quanto peso, mas vou contar o quanto perdi, quando decidir que é hora de contar. 

O que me comprometo a fazer é, sempre que falar sobre emagrecimento, ser absolutamente honesta. Não quero aumentar nem diminuir minhas conquistas e meus fracassos. O meu objetivo é aumentar minha qualidade de vida – uma constante, e não um número na balança – uma variável. 

Gostaria de dividir esta experiência com vocês, e sei que posso contar com o apoio de muitos, e por isso sou infinitamente grata. Aos curiosos (um ou outro, sempre tem) boa sorte em suas vidas, não esqueçam que jogar tetris no seu tempo livre irá agregar muito mais à sua vida do que vir aqui bisbilhotar – dizem que jogar tetris uma vez por dia por uns 30 minutos pode prevenir o Alzheimer. Aproveite melhor o seu tempo!

É isso. Sobre todo o amor de ontem, minha mais sincera gratidão.

Até breve.

Dica para Leitura: Desaparecida por Catherine McKenzie


Terminei de ler essa belezinha esta semana. Essa dica é para as meninas e moças de plantão que adoram uma boa história que, obviamente, envolve triângulos amorosos, vida profissional, perdas dolorosas e grandes conquistas.

Emma é uma advogada bem sucedida que perde a mãe, sua única família, que a deixa como herança uma viagem para a África. Emma, relutante, decide honrar a vontade da mãe e, deixando para trás o emprego, o relacionamento e os confortos da vida moderna, embarca em uma viagem que irá mudar completamente o seu destino.

A grande mudança, porém, não acontece na África, e sim na sua volta para casa, quando descobre que em seus longos meses de distância e sem nenhum contato com seu passado, é dada como morta. 

Como recomeçar uma vida do zero? Como retomar relacionamentos e compromissos que foram terminados diante da crença de sua morte?

Como lidar com o fato de que seu apartamento havia sido alugado por um estranho, e ter quase todos os seus pertences jogados no lixo? E quando o tal estranho, Dominic, não é de fato tão estranho assim?

Boa leitura…

(Encontre este livro em PDF aqui)