O Erro

A manhã de hoje resumiu-se a um encadeamento de presepadas não esperadas que resultará em um post para este blog. Não apenas isto, mas também como uma série de mini-ações a serem tomadas por quem vos escreve – deste momento em diante.

É quase inacreditável como um único erro pode transformar a vida em uma enorme sucessão de más escolhas. Eu sabia que não deveria ter saído ontem a noite, e mesmo assim, saí. Supostamente, o erro.

Quando a gente tem um plano e não o segue, erro. Quando rola um sexto-sentido e a gente o ignora, erro. Quando a gente se propõe a tal coisa e abre mão dela, erro.

Eu saí com as amigas ontem para jantar, o que resultou em comer algo novo, o que resultou em uma ingestão de sódio maior, e uma diferença de +362g na balança. Também resultou em perder o horário de dormir (sim, isso existe na minha vida), significando que não consegui acordar no horário para treinar, não consegui arrumar minha cama antes de sair de casa, e o pior, pior, PIOR DE TUDO – pessoas do gênero feminino entenderão – não havia consenso no que vestir! Eu troquei de roupa três vezes, e saí de casa infeliz (má escolha de composição, saí com blusa, calça e botas pretas e um blazer verde musgo e azul marinho – que à meia-luz do meu closet me pareceu verde musgo e preto, ou seja, cheguei no trabalho e arranquei-o sem pensar duas vezes, maldito blazer verde musgo e azul marinho! Patético.) e minutos atrasada.

Cheguei no escritório às nove em ponto.

Então comecei a escrever, com o coração às palpitadas, brusco, pensando “gostaria poder começar o dia de hoje novamente”. Foi aí que percebi que ontem não usei o meu planner. Ele está aqui neste exato momento, me encarando com um pouco de raiva. Erro.

Não planejei, não escrevi, não segui meu próprio manual. Apenas agi por impulso e naturalidade e disse sim ao que achava que deveria e não ao que não me importava naquela hora. Seria este o erro?

Pensando friamente, ontem mesmo foi um dia anormal. E anteontem, no domingo, ainda mais estranho. Bom, se falarmos sobre o sábado que antecedeu e todas as horas que passei revendo videos e fotos sobre minha vida de antes, e mais um dilúvio de memórias e lembranças e do poço de nostalgia que me atirei, acho que dá pra achar que esse sim foi o erro. Ou talvez tenha sido algo ainda antes disso…? Provavelmente.

Erro, todos os dias. Este post com certeza foi um erro também. Posso simplesmente não publicá-lo, apagá-lo, fingir que nunca existiu. Mas que graça teria? Não tem graça não errar. Não tem graça não ser eu. Só que hoje, com a mistura preto – verde musgo – azul marinho eu tenho certeza absoluta que eu exagerei. Que erro…

Anúncios

Dois Mil e Dezoito

Em 1998 eu fiz as contas de quantos anos teria em 2018 – tinha toda minha vida planejada na ponta da língua. Decidi que seria juíza (porque queria ‘mandar’ nos advogados e em todas as pessoas ao meu redor, ser a respeitadíssima e temida Juíza Gisele Trimboli hahaha), casada, com flhos, morando em uma casa com muitos andares, muitas janelas, um cachorro grande e muito, muito rica (eu escolhia minhas futuras profissões criteriosamente, perguntando “Pai, quanto ganha um dentista? E um advogado? E um juíz?’. Super sensata e realista para uma jovem de 12 anos!).

E cá estou eu, com 95% dos meus planos totalmente invertidos hahahahaha! Mas feliz, feliz por ser dois mil e dezoito. A virada do ano foi ótima, alegre, saltitante e desajeitada. Tudo o que eu queria.

Queria também ter escrito algo mais cedo, não loooogo no dia 1º porque não dava (ocupada demais segurando o sofá pra baixo), mas no dia 2, onde tudo oficialmente começa.

E começa mesmo! Voltei aos meus exercícios e à vida 100% (err.. 99%) regrada, cumprindo todos os propósitos propositalmente propostos (ui!) incluindo – UM LIVRO!

Não, meus livros estão empacados. Zero inspiração. Mas comecei a primeira leitura do ano. Kristin Hannah, é claro! “As Cores da Vida”. O livro tem trezentas e poucas páginas e eu já li 175. Justificado o sumiço para quem trabalha integralmente e é dona de casa nas horas vagas, né?

Voltarei, em breve.

Que 2018 seja tudo aquilo que todo mundo quer que ele seja, pra mim, pra você, pra todo mundo!

Gi

Adeus, 2017

Quanto tempo!

E quantos posts começados, repensados, deletados nestes últimos meses. Eu poderia começar este last post of the year dizendo que está tudo bem, que eu continuo a mesma de sempre, indo e vindo e coisa e tal. Mas seriam inverdades.

Eu não sou mais a mesma desde Setembro. Não somente pelos vários quilos que eliminei do meu corpo, mas principalmente porque estou, como costumo descrever, em processo de desabrochamento.

Como todo bom e velho discurso de final de ano, preciso sintetizar 2017 em uma única frase, e no meu caso, salvo engano, 2017 resume-se a um belo “O que foi isso?”.

Eu nunca vivi tantas coisas boas e tantas coisas ruins em um ano só. Nunca me senti tão nômade, viajando como never before, e nunca me senti tão enraizada a um único lugar, a minha casa.

Não me lembro de ter conhecido – ou melhor – instituído tantos amigos como em 2017, e também não me lembro de nenhum outro ano em que sofri tanto por questões fraternas.

Acredito também que 2017 foi o primeiro grande ano no meu casamento, sem escandalizações ou hipocrisia, quem já casou alguma vez na vida – principalmente se conseguiu permanecer casado – sabe a dificuldade que é o início de um casamento. 2017 foi nosso quarto ano de casados, e finalmente posso acreditar que o casamento foi feito para a felicidade, e não angústia, dos seres humanos.

Este ano comecei agarrada na igreja, e terminei agarrada em Deus.

Um ano de absurdos políticos, crises econômicas, com mais corrupção, com discursos de xenofobia, diminuição da mulher, separação de raças, um ano em que milhares de idiotas saíram dos seus armários imundos e preconceituosos. Nunca me senti tão brasileira, em nenhum outro ano vivendo fora do Brasil. Nunca me senti mais forte e orgulhosa por ser mulher. Nunca estive mais atenta e empática ao alheio. O alheio, de fato, não existe – e tolos são os que acreditam nisso.

E, não poderia deixar de mencionar algo, no mínimo, inesperado – 2017 foi o ano que me tornei Facebook-free! Ou seja, desativei minha conta, desapeguei dos dramas particulares e da negatividade que aquela plataforma jorrava na minha cara logo pela manhã, todos os dias da semana, todas as semanas do mês, todos os meses dos últimos dez anos. Dez anos foi o tempo que levou para que um prazer tornasse-se um desgosto. Talvez esta tenha sido não a maior, mas a mais qualitativa de todas as decisões que tomei em 2017.

Que grande ano, 2017. O ano da minha iniciação em Star Wars. O ano em que passei a acreditar na Força e admirar os Jedi. Parece bobagem, mas só para quem não entende.

Me despeço de 2017 com muito alívio e muita gratidão. Costumo dizer que anos ímpares são sempre os mais difíceis para mim. Não é mitologia, crendice, superstição. É apenas o que é. Anos ímpares são, por algum motivo, muito desafiadores. São a dor muscular que se sente depois do exercício físico puxado – aquela dor necessária, que vem acompanhada do sentimento de missão cumprida. É isso.

Espero que as lições aprendidas neste ano sejam perpetuadas durante minha existência. Espero não esquecer o que vivi, porque tudo foi de muita importância.

A você que leu este texto, deixo toda minha gratidão. Se me acompanhou, seja lá por qual motivo, durante o ano de 2017, espero também ter agregado algo de bom à sua vida. Se não agreguei, peço então mais uma chance – deixo aqui a lista de todos os livros lidos por mim no ano de 2017:

1- Quando Você Voltar – Kristin Hannah

2- Eu Acho que Amo Você – Allison Pearson

3- A Melhor Coisa que Nunca Aconteceu na Minha Vida – Laura Tait

4- A Memória de Uma Amizade Eterna – Gail Caldwell

5- Desaparecida – Catherine McKenzie

6- O Retrato de Dorian Gray – Oscar Wild

7- Mulheres Francesas Não Engordam – Mireille Guiliano

8- Sissi – A Imperatriz Solitária – Allison Pataki

9- 30 e Poucos Anos e Uma Máquina do Tempo – Mo Daviau

10- Por Que Engordamos – Gary Taubes

11- Além da Esperança – Kristin Hannah

12- Barriga de Trigo – William Davis

13- Um Dia – David Nicholls

Um ótimo final de ano a todos!

Abraços,

Gisele

Conhecendo Madison, a Capital de Wisconsin – Parte II – Passeios Gastronômicos

Uma das minhas partes prediletas quando monto o roteiro de qualquer viagem é selecionar meus passeios gastronômicos, afinal, comer bem pode ser uma das melhores experiências de qualquer viagem.

Não foi nada difícil encontrar opções ótimas em Madison, por alguns motivos. Primeiro, como já comentado no post anterior, Madison é uma cidade universitária, ou seja, um prato cheio para restaurantes e bares que gostam de inovar e criar sem medo da rejeição de comunidades mais, digamos, conservadoras (para não dizer antiquadas).

Começamos pelo Gates & Brovi, um restaurante-bar que serve um cardápio especial de hambúrguers e sanduíches, e que conta com uma carta de cervejas artesanais mais do que completa. Começamos pela entrada deliciosa de cheese curds (Wisconsin!!!). De acordo com minha amiga Quézia “o melhor hamburguer já experimentado na vida!” – ela disse que dirigiria 3 horas só para comer aquele hambúrguer e depois voltar para casa. Eu concordo, a comida é uma delícia, o ambiente muito descontraído (e totalmente familiar durante o dia, mas acredito que menores não possam entrar depois das 22h), o serviço é muito bom e o preço bem justo (cerca de $15 por pessoa, com bebidas não alcoólicas).








Fomos também conhecer o restaurante belga Brasserie V – de todos, o que eu estava mais animada, e foi outra experiência muito boa. Pedimos uma tábua de queijos de entrada, afinal, estando em Wisconsin não tinha como não provar queijos deliciosos, e eu me joguei no meu croque monsieur (puro amor), que na verdade sogreu um upgrade com um ovo frito, tornando-se então um belíssimo croque madame, com uma taça de vinho branco. O prato mais caro do Brasserie V é o pato, que custa $20, ou seja, um restaurante de muita qualidade e que super vale a pena. O ambiente é muito aconchegante, com uma decoração que remete mesmo a Europa, só que sem nuvens de fumaça de cigarro sobre as nossas cabeças (ufa!).





Outro lugar que foi muito bem avaliado internet afora e que fomos almoçar foi um pub chamado The Coopers Tavern – que infelizmente eu esqueci de tirar fotos, por isso estou usando uma do site deles, porque o lugar é super descontraído (um pub, né Gisele?!?), bem em frente ao Capitólio, super movimentado, realmente, um lugar ‘descolado’. A Quézia e o Danilo pediram uma entrada de fritas com queijo derretido (Wisconsin!!!) e gravy, e nós pedimos um pretzel com molho de queijo (Wisconsin!!!) com cerveja artesanal, uma delícia. Depois pedimos sliders (eu pedi, são três mini-hamburgueres com queijo gruyère), sanduíches e hambúrgueres do tamanho convencional. A média de preço segue a mesma dos outros lugares.





O restaurante mais legal e aprovado por nós quatro na viagem foi onde tivemos nosso último jantar, o Eno Vino Bar & Bistro. O lugar, apesar de ter sido o mais sofisticado de todos, foi curiosamente o mais acolhedor também. Chegamos lá por volta das 22h e eles não serviam mais o menu completo do jantar, apenas o menu do bar – que foi sensacional. Quézia e eu provamos seis tipos diferentes de bruschetta, uma mais diferente e maravilhosa que a outra, o Josh pediu uma pizza brotinho espetacular, e o Danilo pediu um prato de pasteizinhos de atum no estilo asiático. No final, pedimos uma sobremesa (que era para ter sido fondue, mas infelizmente eles estavam sold out), então nossa super simpática garçonete nos sugeriu o bread pudding com sorvete de caramelo salgado e nós acatamos. No final, com as bebidas, tudo ficou por cerca de $25 por pessoa. Eu pretendo voltar no Eno Vino, vale a pena, o lugar é realmente fantástico.







Entre sorvetes em downtown e cheesecakes na feirinha do centro, encontramos duas lojas de chocolates que não poderiam ficar de fora deste post.

A primeira delas, a Madison Chocolate Company, simplesmente encantadora, de chocolates artesanais, e o melhor de tudo, todos os produtos são 100% gluten free! Isso para mim significa algo especial, porque minha melhor amiga é celíaca, e eu sei muito bem como é difícil encontrar lugares onde celíacos ou pessoas com outras doenças crônicas potencializadas pela ingestão de glúten (como é o caso da dona dessa loja, eu conversei com ela) sintam-se totalmente seguros em comer algo sem o medo de intoxicação através de contaminação cruzada. O chocolate de lá é incrível, e ela fabrica tudo lá mesmo. Os sabores variam dos mais convencionais, como trufas e bombons recheados, como sabores exóticos, como uma trufa de manjericão que nós provamos. O preço, obviamente, é mais alto do que a média, mas a experiência é incrível, e dar apoio a pequenos negócios como este fazem toda diferença. O chocolate é de extrema qualidade, e o atendimento é muito, muito acima da média (além do lugar ser uma graça).


A segunda e última loja de chocolates é a Kilwins, que fica bem próxima ao Capitólio, na beiradinha de downtown Madison. Essa loja é daquelas que o aroma se espalha pela rua, convidativo de uma maneira quase provocadora. Irresistível. O conceito desta loja é diferente, porque é uma franquia de uma rede espalhada por todo o país. Mas isso não diminui sua mágica. A loja é linda, os chocolates tem o aspecto mais artesanal, assim como os sorvetes vendidos lá (Josh comeu um sabor cheesecake, todos são de massa), os detalhes das embalagens, a vitrine, os funcionários e o atendimento, tudo muito charmoso. O preço é bem mais camarada também, e eu ataquei quatro ou cinco tipos de doces com chocolate branco (o único que eu realmente gosto). Algumas das atrocidades encontradas nessa loja incluem: oreos cobertos com chocolate, pretzels cobertos com chocolate, barras e mais barras de fudge em pedaços de diversos sabores, todos os tipos de trufas, bombons e barrinhas, e claro, os sorvetes. Sim, vale a pena.


Então é isso, um resumo dos quilos adquiridos no feriado em um único post. Ah! Não falei do café da manhã porque comemos no hotel (incluso), mas essa parte vocês já podem imaginar, né?

Madison, se você não for até lá pela sua beleza, vá pela sua comida.

Gi

Conhecendo Madison, a Capital de Wisconsin – Parte I

Na segunda-feira comemoramos o Labor Day aqui nos EUA, feriado do Dia do Trabalho, que nos deu a oportunidade de tirar umas “mini-férias” e ir até nosso estado vizinho, Wisconsin, conhecer a cidade de Madison, sua capital. 

Pegamos a estrada no sábado de manhã e em menos de três horas chegamos ao nosso destino. A estrada estava linda, muito verde, com muitas plantações e muitos pastos – Wisconsin é um estado fortíssimo na pecuária e conhecido pela fabricação de excelentes queijos (é como Minas Gerais nesse sentido).


Madison é uma cidade universitária com cerca de 250 mil habitantes. Ela é famosa pelos seus grandes lagos, sendo o maior deles o Lake Mendota, que durante o verão fica incrivelmente agitado com barcos de esporte e de lazer, emoldurado por banhistas que aproveitam a areia fofa e pantanosa para colocar o bronzeado em dia nas pequenas praias espalhadas por toda sua margem.




Durante o final de semana, tivemos a companhia de nossos queridos amigos Quézia e Danilo, e exploramos juntos vários pontos da cidade, a começar pelo Capitólio, sede do gabinete do Governador de Wisconsin. Aos finais de semana existe uma feirinha que acontece na praça do Capitólio, com muitas barracas de comidas e artesanato, também com palcos distintos com bandas ao vivo que tocam o dia todo. Passamos pela feirinha e seguimos direto ao Capitólio, um verdadeiro monumento de tão bonito. Não precisamos pagar nada para entrar, e pudemos subir até o terraço, onde nos deparamos com uma vista linda. Como estava um dia frio, chuvoso e nublado, não aguentamos ficar lá no topo por muito tempo, mas valeu a pena.









A poucos metros do Capitólio fica o centro da cidade, uma área muito charmosa, repleta de restaurantes, lojas e museus. Visitamos o Madison Museum of Contemporary Art que também é gratuito, e foi fantástico, principalmente porque algumas obras do Andy Warhol pertencem ao seu acervo. 









Domingo foi o dia de mais andanças – de acordo com o fit bit da Quézia, andamos cerca de 13 mil passos (por isso não ficamos com peso na consciência após nossas refeições! Conto sobre os restaurantes no próximo post), passamos a manhã toda visitando o Zoo de Madison e a tarde fomos conhecer a Governor’s Island, ambos passeios também gratuitos.

O zoológico opera através de doações e trabalho voluntário, e também pela sua recheada lojinha de souveniers. Os animais estavam visivelmente bem cuidados, e alguns deles foram um show a parte (uma girafa se esguelando para alcançar os galhos de uma árvore, o rinoceronte brincando com um tronco enorme, depois trotando feliz em direção à sua cuidadora que trazia comida, a família de Leões tomando sol, todos juntos, o urso polar adubando o solo na nossa cara, e até mesmo uma tartaruguinha fugitiva… Sem contar os exibidos flamingos e as topeiras de gritos escandalosos. Eu sei que é triste ver animais enjaulados, mas estes todos já nasceram em cativeiro, não sobreviveram à natureza, e realmente estavam bem cuidados.)









Na Governor’s Island fizemos uma “trilha” (leia-se: demos uma volta toda na ilha seguindo o caminho pré-determinado para pessoas nada aventureiras e totalmente inexperientes como nós), que não era muito longa, na verdade, mas que é muito bonita, com vista para o Lake Mendota, formando um balão, e a determinada altura da trilha você consegue avistar o centro de Madison, inclusive o Capitólio. 







Na segunda-feira, convenci meu marido (como boa geminiana que sou) a me levar ao shopping (como boa paulista que sou), de West Towne Mall, onde pude ir, fisicamente, às compras na H&M (como aqui onde eu moro, apesar de ser uma área metropolitana com cerca de meio milhão de habitantes, não tem H&M e eu só compro pela internet). Me diverti por alguns minutos (pergunte ao meu marido e ele lhe dirá que foram algumas horas, mas o tempo é subjetivo e questão de perspectiva!) e fiz ótimas compras. 



Achei Madison uma cidade encantadora, honestamente, muito parecida com Iowa City, só que bem maior e mais movimentada. O povo de Wisconsin também me lembra muito o povo de Iowa, muito educados, prestativos e gentis. 

Vale a pena conhecer Madison. Daqui a pouco volto para contar sobre a comida.

Gi.

Na Jornada da Perda de Peso, Conte Somente com Você

Esta semana completei mais um ciclo de cinco dias seguidos de academia. Me comprometi a me exercitar todos os dias úteis da semana, entre 45 e 60 minutos por dia, por um período indeterminado. O objetivo é fazer com que meu corpo se acostume ao máximo a praticar atividades físicas a ponto de me enviar sinais de cobrança nos dias em que eu não me exercitar. O meu objetivo maior, na realidade, é ter uma vida adulta com muita saúde, agora e durante a terceira idade.

“Mas Gisele, você só tem 31 anos, não é um pouco de exagero pensar na terceira idade assim?” – no meu caso e na minha opinião, não. Nem todos podemos ser filhos e netos de grandes atletas. Nem todos temos este estímulo da prática de esportes constante vindo de pessoas ao nosso redor. Nem todos temos a bênção dos genes magro-alto-sem colesterol-sem diabetes-sem hipertensão presenteado a nossos corpos. Eu preciso entender que o agora é meu futuro, e que o futuro é meu agora. Não tenho outra senão optar pela prevenção.

A questão não é ter um corpo sarado – veja bem, eu nem se quer tomo sol! Não é por exibicionismo. Vaidade pessoal? Com toda certeza. Preciso me amar, e preciso me amar primeiro. Mas o fato é que quero ter uma vida com o mínimo de remorso possível, e isso começa pela minha saúde, que está no topo desta lista. Deve ser horrível ter um diagnóstico de alguma doença limitadora, para não dizer fatal, com 40, 50, ou 60 anos, e se dar conta de que se houvesse mudado meus hábitos décadas antes, aquilo poderia ter sido evitado. Significa de que me tornarei imune a doenças e problemas? Não. Mas significa que estarei com a consciência tranquila sabendo que dei o melhor de mim, por mim. Significa que não fui um fator a mais (se não o mais poderoso deles) a tornar uma situação ainda pior, potencialmente.

Mas o que importa é fazer tudo isso pensando de uma maneira bem egoísta. Quando se trata de peso, reeducação alimentar, prática de exercícios, você pode e deve ser muito egoísta, pensar somente no seu bem-estar, olhar somente para o seu próprio umbigo. Acredite, olhar para o próprio umbigo ajuda muito nessas horas, principalmente quando a única visão que se tem dele é uma visão ‘semi-periférica’ (graças às saliências da pança!). 

Além do mais, digo por experiência própria: você não terá ninguém para contar além de você mesmo nessa caminhada. Nem as pessoas mais próximas de você, por mais bem-intencionadas que sejam, conseguirão dar o apoio que você realmente precisa. Muitas delas provavelmente não irão acreditar que você tem a capacidade de conseguir alcançar o seu objetivo – baseiam-se nas suas próprias fraquezas e sentem uma ponta de inveja quando percebem que há quem seja mais forte.

Eu caí na infelicidade de comentar com algumas pessoas a minha meta de peso. Foi uma grande estupidez da minha parte. Ninguém, nenhum deles, teve a capacidade de me apoiar e dizer “eu tenho certeza que você consegue”. Ouvi coisas como “mas a sua estrutura, não vai ficar bom”, ou “é que você tem ossos largos, então pode ser que não seja fácil”, ou então “as suas expectativas são muito diferentes das minhas, mas talvez você consiga”. Todos tão bem-intencionados, ninguém teve fé em me dizer que, ainda sabendo que aquele número é absolutamente normal e saudável para a minha estatura (gente, eu tenho noção das coisas!), confiava que eu iria conseguir.

As pessoas se incomodam de me ver indo na academia todos os dias, tirando fotos de looks no espelho, fazendo comparações de antes e depois. É porque elas se sentem mal com elas mesmas, com a incapacidade delas e a falta de força de vontade delas próprias em tomar uma atitude e mudar. Por isso há um certo incômodo, perguntam quantos quilos eu perdi, dão pitacos na minha alimentação, e mensagens do tipo “cansei de ver você na academia 5:00 AM todo dia”. Não é fácil. 

Mas por que então eu continuo falando tanto sobre minha reeducação? Primeiro porque eu gosto de falar abertamente sobre as coisas que eu vivo. Não há o que esconder. Eu sou assim, sempre fui e não é agora que vou fazer diferente. Segundo, porque é uma maneira de eu mesma tomar consciência de tudo o que eu faço – com relação aos alimentos e aos exercícios. É uma auto-cobrança, algo que me empurra pra frente. Terceiro, porque apesar das pessoas que tentam sempre puxar os outros para baixo, há muito mais pessoas que se sentem inspiradas e motivadas com esse tipo de conteúdo.

Eu sou uma mulher absolutamente normal, posto receitinhas saudáveis com o que tenho na geladeira, faço academia em um lugar super simples, não sou exemplo nenhum de vida fitness, mas pelo menos jogo a real com vocês. Quando vou comer uma fatia de torta de limão passada na massa de bolinho de chuva e frita (aquela que eu postei no dia da quermesse!), eu mostro também! Porque a vida é isso, e não o faz de conta que muita gente prefere publicar. 

No final, conte somente com você. É a minha força de vontade que me faz levantar da cama todos os dias e ir pra academia. É a minha consciência que me faz pensar antes de comer um misto quente com refrigerante e doce na frente da televisão de noite. É o meu amor-próprio que não me deixa desistir.

A caminhada é única e exclusivamente sua, portanto faça dela a melhor e mais feliz de todas. Você merece.

Fui Na Pedicure Pela Primeira Vez nos EUA

O plano era fazer um post primeiro aqui no blog a respeito da minha experiência – mas não me aguentei, acabei falando um pouco sobre isso no Insta. Acontece que eu não contei muito sobre a experiência em sí, sobre os detalhes, então farei isso neste momento, aqui no blog mesmo.

Aqui os salões de manicure são, geralmente, conhecidos como ‘nail spa’, porque realmente vão bem além dos serviços comuns de unha – oferecem massagem, exfoliação, tratamentos para a pele, entre outras coisas.

O spa que eu decidi conhecer foi o La Vie, cuja proprietária é nada mais, nada menos do que a minha vizinha! Isso já me deu uma certa tranquilidade porque, bom, sou brasileira e por mais que não seja mineira como minhas amigas, sou um pouco desconfiada.

Cheguei no local e já fiquei encantada. Totalmente diferente dos salões que eu já tinha visto (da porta pra fora, principalmente dentro de shoppings), e muito parecido com o salão de cabeleireiro que eu frequento. Tudo moderno, bem decorado, extremamente limpo e organizado.

Algumas curiosidades, acho que 99% dos nail spas que eu já vi são geridos e operados por asiáticos, principalmente do Vietnã. Muitos dos profissionais, inclusive, são homens – sim, eles fazem todo o trabalho da manicure, e pelo que pude perceber fazem tudo muito bem.

A senhora que me atendeu era irmã da minha vizinha, ambas do Vietnã. Ela fez tudo como as nossas manicures, tirou SIM toda minha cutícula, fez exfoliação e massagem nas pernas (do joelho pra baixo), lixou, deixou tudo bonitinho. 

Interessante foi na hora que ela foi passar o esmalte. Ela simplesmente não borrou. Diferente de nós, ela não usou um palitinho pra tirar os excessos das bordas, simplesmente porque não tinha excesso nenhum. O pouquíssimo de esmalte que encostou na minha pele, ela tirou com um lencinho descartável umedecido no removedor de esmaltes, nem algodão ela usou!

A cadeira onde os clientes sentam já tem esse tanquinho de água (foto) e uma torneira, tudo embutido. Ela colocou um plástico descartável forrando o tanque antes. A cadeira é de massagem, e o cliente pode controlar como quiser. 

No final, ela me colocou sentadinha em outro canto do salão e pediu para colocar meus pés dentro de uma maquininha (um ventiladorzinho) para secar mais rápido as unhas. Como eu não fiz unha em gel, precisei esperar o esmalte secar naturalmente. Além disso, ela vestiu minha sandália antes de esmaltar, passou o esmalte com a sandália já vestida, o que eu achei muito bom para evitar acidentes (sou mestre nisso).

Como o serviço que eu pedi era o que tinha a massagem e a exfoliação, no total fiquei 45 minutos lá. Eu fiquei muito satisfeita. 

E o preço? Ah, gente. É caro. Poderíamos entrar numa discussão de macroeconomia sem fim aqui, e a conclusão é uma só: os EUA tem uma economia forte de produto e não de serviços. Por isso as coisas aqui são tão baratas (é mais barato comprar um microondas novo do que mandar consertar um que quebrou, e é assim com praticamente tudo), e é por isso que os americanos são os reis do DIY (do it yourself, ou, faça você mesmo), porque todo e qualquer serviço aqui custa caro.

Na região onde eu moro, você não irá encontrar um nail spa bom (qualidade, higiene, atendimento) por menos de US$30. É, dólares. Mas aí vem a tal sabedoria popular, quem converte não se diverte! Hahahahaha! 

Amei, acho que valeu a pena, e com certeza voltarei mais vezes. Pena que demorou mais de dez anos para eu tomar coragem e passar por cima do meu preconceito! Se soubesse o quanto ia gostar, teria ido muito antes.