Arrombe a Porta

Por anos e anos (e anos e anos) da minha vida estive recolhida pelos mantos de vontade, cortinas de ordens e telhados de regras de outras pessoas. Aqui cabe, sim, pai e mãe, mas as paredes, as colunas, as escadas e portas iam bem além da sujeição esperada, respeitosa, ainda que por vezes forçada, aos comandos dos meus pais.

Quantas vezes olhei para os lados e senti as limitações das cobranças de todas as outras pessoas? Todas, todas mesmo? Não saberia contar. 

Apesar da personalidade espontânea, da mente e da boca descontroladas, sempre um pensamento à frente e com uma resposta engatilhada; apesar das diversas tentativas de expressão, como todo jovem, fosse pelas gírias faladas, pelas músicas berrantes ouvidas de longe pelos vizinhos, pelas roupas chamativas ou pelo salto alto afiado, apesar do cabelo mudando de cor e forma como mudam as nuvens do céu paulista, apesar de toda uma inteligência demonstrada em textos e números e notas (musicais e de boletim), sempre fui uma manada contida, sentimentos e vontades e planos e ações estancadas como se fossem todos eles grandes afrontas ao que se era aceito, ao que se podia e não podia.

O que se faz necessário é uma grande ilusão. Aceitação é a pior de todas as armas nas mãos de quem controla a guerra. Manipulam tudo – a exigência é o próprio controle. Fingem que esta casa estruturada, estes mantos e cortinas e telhados e portas são um grande refúgio – tudo quase calculado, para que, conformados, aceitos, nunca sintamos o ímpeto de sair dali.

Chute a porta da frente. Arrombe-a. Liberte-se. Ninguém tem o direito de fazer com que você faça menos, queira menos, acredite menos, conquiste menos, SEJA menos. Menos e mais, e mais e menos, isso tudo é bem relativo! Ninguém tem o direito de exigir com que você faça mais, queira mais, acredite mais, conquiste mais – SEJA mais. Você é o que é e, se não sabe o que é, ainda não teve coragem de chutar sua porta da frente.

Tenha o ímpeto. Pare de olhar ao redor, para cima, para baixo e olhe somente o lado de dentro. Todas as respostas estão bem ali. Agora, basta agir.

Força.

Anúncios

Quando o Assunto é a Balança


Recebo dezenas de mensagens de mulheres que me acompanham pelas redes sociais todas as vezes que o assunto abordado é peso. É impressionante enxergar a sede que tantas pessoas tem – e que, na minha opinião, vai além de uma simples curiosidade – em tentar entender como alguém consegue perder peso.

Eu mesma acompanho algumas mulheres que falam especificamente disso na internet, mas nenhuma delas é considerada como um modelo a se seguir da vida fitness. Por quê? Porque são pessoas de verdade, contando as reais histórias dos seus corpos e da sua relação com a comida.

Por algum tempo, evitei falar a respeito da minha própria reeducação alimentar. Minha própria melhor amiga demonstrou uma preocupação profunda com o fato de que me expondo tanto quanto eu fazia, poderia mais me prejudicar do que me ajudar. Ela tem razão.

Não é fácil colocar a cara a tapa quando se trata do nosso próprio corpo. Não é fácil lidar com críticas, principalmente quando os ‘juízes’ decidem apitar seu jogo sem nem ao menos compreender todas as regras que o cercam. A dificuldade de escrever, gravar, fotografar e postar sobre emagrecimento é tão grande quanto o próprio processo de emagrecer. Uma caminhada cheia de obstáculos.

Porém, uma coisa que tento levar comigo para tudo na vida é que ser transparente é sempre a melhor opção. Eu não sei viver pela metade, não sei fazer nada pela metade. Se entro, entro de cabeça. E graças ao post de ontem, percebi que posso ajudar tantas pessoas através da minha própria experiência, tantas, que decidi correr este risco!

Então, vamos deixar algumas coisas bem claras. Primeiro, e mais importante de tudo: eu vou falhar. Vou comer doce, vou comer massas, vou em restaurantes, vou agir como uma pessoa absolutamente normal. Não vou perder peso toda semana, não é esse o meu objetivo, pois conheço meu corpo e entendo minhas limitações. Não vou me comprometer a abrir o quanto peso, mas vou contar o quanto perdi, quando decidir que é hora de contar. 

O que me comprometo a fazer é, sempre que falar sobre emagrecimento, ser absolutamente honesta. Não quero aumentar nem diminuir minhas conquistas e meus fracassos. O meu objetivo é aumentar minha qualidade de vida – uma constante, e não um número na balança – uma variável. 

Gostaria de dividir esta experiência com vocês, e sei que posso contar com o apoio de muitos, e por isso sou infinitamente grata. Aos curiosos (um ou outro, sempre tem) boa sorte em suas vidas, não esqueçam que jogar tetris no seu tempo livre irá agregar muito mais à sua vida do que vir aqui bisbilhotar – dizem que jogar tetris uma vez por dia por uns 30 minutos pode prevenir o Alzheimer. Aproveite melhor o seu tempo!

É isso. Sobre todo o amor de ontem, minha mais sincera gratidão.

Até breve.

O Caminho do Sucesso na Reeducação Alimentar Morando Fora


É a primeira vez na minha vida em que eu decido de todo coração mudar os meus hábitos. Esta caminhada começou, timidamente, em 2015, na primeira vez em que eu me associei aos Vigilantes do Peso (em inglês, Weight Watchers). Eu perdi, eu ganhei. Não apenas na balança, mas em vários sentidos.

De lá para cá muitas coisas não são mais as mesmas. Eu mudei de casa, mudei de emprego, mudei o visual, mudei alguns hobbies, até o meu círculo social também mudou. E essa é a vida, essa é a jornada. Cheia de altos e baixos, de bons e maus momentos, de conquistas e obstáculos, formada por avalanches de dificuldades e campos de calmaria. 

Mas hoje, depois de algumas experiências, acho que sou capaz de entender melhor o que a comida tem a ver com isso tudo. E tem muito a ver.

Ontem conversando com um grande e velho amigo, ele me confessou que se fosse ele morando aqui nos EUA não conseguiria ter a mesma força de vontade que eu tenho, em buscar uma alimentação mais saudável. Verdade seja dita, os EUA são o reino dos fast foods e das porcarias, que – diga-se de passagem – são maravilhosas. São tantas guloseimas, tantas opções, e a um custo tão baixo, que não é de se admirar que a droga número um dos americanos sejam elas. Qualquer um pode ter uma overdose de açúcar e fritura aqui por menos de $10. Não é a toa que aqui o que reina é a obesidade.

E quando esse meu amigo fez tal declaração, a primeira coisa que eu pensei foi: mas eu levei dez anos para conseguir decidir mudar meus hábitos alimentares! Dez anos! E foi justamente isso que eu respondi a ele. 

Não foi uma decisão tomada da noite para o dia. E é, na realidade, uma decisão tomada todos os dias, multiplas vezes ao dia. As tentações são inúmeras – houve uma semana aqui no trabalho onde em quatro dos cinco dias úteis foi servida alguma comida gorda aos funcionários, como forma de “motivação” ou para comemorar algum marco incrível de algum colega. 

A coisa mais comum nas empresas americanas é ter caixas e caixas de cookies e donuts na salinha do café à vontade para os funcionários. Tem noção?

E eu não estou aqui para julgar o estilo de vida, a cultura ou os hábitos dos meus não-conterrâneos. Isso, na realidade, não é problema meu. E esta é a chave de tudo.

Enquanto eu perdia meu tempo criticando os americanos pelos seus hábitos e culpando o ambiente ao meu redor pelo meu ganho de peso, nada mudava nas vidas deles, e eu continuava a engordar. Lembre-se: enquanto você tiver uma desculpa para continuar onde está, pode ter certeza, você continuará onde está.

A vida americana é sedentária e gordurosa? Absolutamente. Mas eu não sou obrigada a viver desta maneira. Acima do sedentarismo e da maneira de se alimentar, muito acima deles, está uma coisa chamada LIBERDADE. A América é um país livre. Aqui sou livre para usar maquiagem sem ser julgada, sou livre para pintar o cabelo sem ser mal interpretada, sou livre para usar o estilo de roupas que eu quiser, inclusive sou livre para ser gorda! Seria só mais uma.

Mas então, o que me impede de NÃO ser gorda? Nada. Bom, provavelmente minha própria cabeça, meus próprios maus-hábitos, minha própria preguiça, minhas próprias desculpas, ou seja, resumidamente: minha própria atitude.

Aqui tenho toda a liberdade do mundo e todo o acesso à academias, parques, até mesmo a um magnífico rio (se eu pudesse nadar) cheio de praias, e piscinas, e supermercados com – pasmem – uma seção inteira só para frutas, verduras e legumes! 

Abramos um parênteses sobre o ‘ser gorda’: aqui não cabe o sentido da palavra ‘gorda’ discriminado e submetido à ditadura da beleza. Ninguém é obrigado a ser magro, assim como ninguém é obrigado a ser gordo. Fisicamente isso não importa – do pó viemos, ao pó voltaremos. O que eu quero dizer com ‘ser gorda’ aqui é ter uma atitude irresponsável e negligente em relação ao que se ingere, ter uma mentalidade gorda, sofrer quando se olha no espelho e quando se mede a pressão sanguínea, não saber o limite e a ponderação entre o que se quer e o que se deve fazer. No meu caso é isso.

As pessoas me perguntam como consigo levantar todos os dias as 5:00 AM (5:15 AM, na verdade) para ir malhar. A resposta é muito simples: eu odeio malhar. Por isso, decido que é a primeira coisa do dia que vou fazer, para poder eliminá-la do meu pensamento no decorrer do dia. Além disso, se eu não fosse para a academia teria que estar de pé às 6:30 AM de todo jeito. Ou seja, não estou perdendo quase nada – me deito por volta das 22:00 e se me sinto muito cansada em um determinado dia, me recolho ainda mais cedo. 

É questão de hábito, é questão de escolha. Escolher o caminho que você quer percorrer. É muito difícil, todos os dias, mas minha falta de saúde e insatisfação com a minha própria imagem são coisas ainda mais difíceis de encarar.

A conclusão deste post é a seguinte: não importa se você vive no Brasil, nos EUA, na Europa ou em qualquer lugar do mundo, o segredo do sucesso é parar de olhar à sua volta e olhar unicamente para você. Não use desculpas esfarrapadas, não busque culpados, e desencane da genética. Se você quer, você pode e você irá conseguir.

Força!

Fui Na Pedicure Pela Primeira Vez nos EUA

O plano era fazer um post primeiro aqui no blog a respeito da minha experiência – mas não me aguentei, acabei falando um pouco sobre isso no Insta. Acontece que eu não contei muito sobre a experiência em sí, sobre os detalhes, então farei isso neste momento, aqui no blog mesmo.

Aqui os salões de manicure são, geralmente, conhecidos como ‘nail spa’, porque realmente vão bem além dos serviços comuns de unha – oferecem massagem, exfoliação, tratamentos para a pele, entre outras coisas.

O spa que eu decidi conhecer foi o La Vie, cuja proprietária é nada mais, nada menos do que a minha vizinha! Isso já me deu uma certa tranquilidade porque, bom, sou brasileira e por mais que não seja mineira como minhas amigas, sou um pouco desconfiada.

Cheguei no local e já fiquei encantada. Totalmente diferente dos salões que eu já tinha visto (da porta pra fora, principalmente dentro de shoppings), e muito parecido com o salão de cabeleireiro que eu frequento. Tudo moderno, bem decorado, extremamente limpo e organizado.

Algumas curiosidades, acho que 99% dos nail spas que eu já vi são geridos e operados por asiáticos, principalmente do Vietnã. Muitos dos profissionais, inclusive, são homens – sim, eles fazem todo o trabalho da manicure, e pelo que pude perceber fazem tudo muito bem.

A senhora que me atendeu era irmã da minha vizinha, ambas do Vietnã. Ela fez tudo como as nossas manicures, tirou SIM toda minha cutícula, fez exfoliação e massagem nas pernas (do joelho pra baixo), lixou, deixou tudo bonitinho. 

Interessante foi na hora que ela foi passar o esmalte. Ela simplesmente não borrou. Diferente de nós, ela não usou um palitinho pra tirar os excessos das bordas, simplesmente porque não tinha excesso nenhum. O pouquíssimo de esmalte que encostou na minha pele, ela tirou com um lencinho descartável umedecido no removedor de esmaltes, nem algodão ela usou!

A cadeira onde os clientes sentam já tem esse tanquinho de água (foto) e uma torneira, tudo embutido. Ela colocou um plástico descartável forrando o tanque antes. A cadeira é de massagem, e o cliente pode controlar como quiser. 

No final, ela me colocou sentadinha em outro canto do salão e pediu para colocar meus pés dentro de uma maquininha (um ventiladorzinho) para secar mais rápido as unhas. Como eu não fiz unha em gel, precisei esperar o esmalte secar naturalmente. Além disso, ela vestiu minha sandália antes de esmaltar, passou o esmalte com a sandália já vestida, o que eu achei muito bom para evitar acidentes (sou mestre nisso).

Como o serviço que eu pedi era o que tinha a massagem e a exfoliação, no total fiquei 45 minutos lá. Eu fiquei muito satisfeita. 

E o preço? Ah, gente. É caro. Poderíamos entrar numa discussão de macroeconomia sem fim aqui, e a conclusão é uma só: os EUA tem uma economia forte de produto e não de serviços. Por isso as coisas aqui são tão baratas (é mais barato comprar um microondas novo do que mandar consertar um que quebrou, e é assim com praticamente tudo), e é por isso que os americanos são os reis do DIY (do it yourself, ou, faça você mesmo), porque todo e qualquer serviço aqui custa caro.

Na região onde eu moro, você não irá encontrar um nail spa bom (qualidade, higiene, atendimento) por menos de US$30. É, dólares. Mas aí vem a tal sabedoria popular, quem converte não se diverte! Hahahahaha! 

Amei, acho que valeu a pena, e com certeza voltarei mais vezes. Pena que demorou mais de dez anos para eu tomar coragem e passar por cima do meu preconceito! Se soubesse o quanto ia gostar, teria ido muito antes.

Vida Que Segue

Semana passada fui à Florida a trabalho. Quem me acompanha pelo Instagram e tem paciência de seguir meus Stories e fotos já deve saber. Estive em Orlando e em Miami, e devo dizer que esta foi uma viagem muito produtiva, graças a Deus.

Trabalhei muito, o que realmente foi maravilhoso, conheci pessoas incríveis, e voltei para casa com a sensação de dever cumprido. Tive um contratempo na volta para casa, fiquei presa no aeroporto de Chicago por algumas boas horas, meu vôo para Moline foi cancelado (por motivos de mau tempo) e tive que voltar de lá dirigindo – pouco mais de 3 horas de estrada sob um temporal incessante o caminho todo. Cheguei às 3 da manhã no meu doce lar, quebrada mas feliz.

Feliz de estar de volta. Fiquei contente com tudo o que aconteceu durante a viagem, mas estou feliz de estar aqui, no meu canto. Todas as vezes que eu viajo me sinto assim, feliz por ir e mais feliz por voltar.

O que há de novo para registrar aqui? Nada de especial, na verdade. Quem viaja assim, a trabalho, com uma certa frequência como eu sabe bem o que são os momentos de ‘solidão’ da estrada. Não necessariamente solidão do tipo deprimente, mas os momentos onde, de repente, você está sozinho. 

Eu fico rodeada de pessoas o tempo inteiro quando viajo a trabalho. Mas quando volto para o hotel, entro no quarto e fecho a porta, me sinto estranhamente sozinha – não deprimida, nem triste, nem solitária, apenas sozinha. Eu, Gisele, sendo minha única companhia.

Hillstone Restaurant, Winter Park, FL


São nestes raros momentos em que eu consigo refletir (seria demais dizer ‘meditar’, demais para um pessoa como eu que pensa e age e se contorce e ri e fala sozinha, as vezes tudo ao mesmo tempo) sobre aquelas questões filosóficas da vida, algumas que valem bastante a pena, e outras que não valem absolutamente nada.

Mais estranhamente ainda, nesta viagem pensei repetidamente – e involuntariamente, diga-se de passagem – sobre a maternidade. Acho que foi porque mais uma pessoa, na melhor de suas intenções, me sugeriu que congelasse meus óvulos. O que se faz com óvulos congelados que a mulher decide não usar? Onde é que eles ficam guardados? Quanto custa alugar um espaço na geladeira de óvulos? E se decidir usar, como eles vão parar lá dentro de novo? Da mulher?

Enfim, depois pensei em filhos grandes. Pensei na Disney, não sei por quê (!?). Eu estava em Orlando, né? E depois Miami.

Pensei muito em coisas que, bom, não posso escrever a respeito – mas tudo bem, se fosse seu este texto você também iria preferir não escrever a respeito de determinada coisa, e mencioná-la mesmo assim, só porque você sabe que não há sensação mais legal do que a de provocar a curiosidade alheia! Nós, seres humanos, somos todos iguais mesmo.

E então, tive imensos diálogos com Carolina, que como sempre é a pessoa que tira a cegueira dos meus olhos. Como é que as pessoas vivem sem ter uma Carolina? Eu não sei. Graças a Deus, não sei. Mas ela me disse coisas que fazem muito sentido. A gente gosta mesmo é de especular! Mas as teorias de Carolina são sempre as melhores. Ela tem razão, sempre. Eu acredito nisso.

E foi praticamente isso o que aconteceu. Uma semana cheia, dias intensos.

Perspectiva

Desde que comecei minha reeducação alimentar com o VP acompanho uma moça de outro estado que perdeu 40 kg só com o VP, e que é uma enorme inspiração para mim. Ela tem 44 anos, dois filhos, é casada, dona de casa, e é um dos membros do programa com maior número de seguidores no Connect (rede social exclusiva do VP).

Todas as vezes que esta moça, Holy, tem uma recaída (porque sim, todos nós seres humanos temos todos os tipos de recaída, porque nossas fraquezas não mudam, o que muda é a nossa motivação) ela escreve sobre ‘perspectiva’. 

É claro que quando a Holy fala sobre isso ela fala unicamente sobre alimentação, e os fatores emocionais que estão ligados a ela. Mas muito além da alimentação, tudo o que a Holy escreve sobre perspectiva pode ser aplicado em todas as demais áreas das nossas vidas.

É muito interessante pensar que uma única situação irá, necessariamente, ser interpretada de muitas maneiras se observada por ângulos diferentes. Isso é uma coisa muito ruim, pra quem gosta de ser o dono da verdade (meu caso), mas também pode ser algo maravilhoso, pra quem precisa insistir em recomeços (meu caso).

Perspectiva, muitas vezes é disso que se precisa para mudar o rumo das coisas. 

Eu estava vivendo uma situação que – literalmente – me tirou o sono algumas vezes. Nada grave, tudo muito abstrato, na realidade, resultado da minha enorme capacidade de criar eventos, ou seja, pra dizer de uma maneira bem vulgar: fruto da minha imaginação.

Então, a vida acontece, os ventos sopram, e de repente estou de cara com a realidade. Tinha duas opções: insistir ou desistir.

Decidi desistir. Mas não é fácil desistir do que tem importância, não é mesmo? Mesmo que seja abstrato? Mesmo que seja uma irrealidade (essa palavra existe?)? Tive apenas uma opção: buscar outras perspectivas.

E, para a minha surpesa, encontrei várias perspectivas sobre este assunto. Um assunto único, uma singular situação, com multiplas facetas. A gente querer olhar para uma só faceta nada mais é do que uma escolha, muitas vezes por comodidade, muitas vezes por medo, algumas vezes por ambos (meu caso).

Mas é isso mesmo. Perspectiva. Quando você consegue dar um passo, um só passo que seja, para a direita ou para a esquerda e consegue enxergar além. Perspectiva.

É isso que desejo a você no dia de hoje.

31 anos, 1 mês, uma Viagem, dois Livros e uma Raposa

Há exatamente um mês completei trinta-e-um-anos-de-vida. Eu não imaginei que minha vida estaria como está – não imaginei que estaria assim, sendo eu, esse eu de agora.

Mas isso deve ser uma coisa boa, já que a maioria dos meus planos falha. Se eu estivesse vivendo um plano meu, provavelmente, estaria falhando muito mais (nessa parte poderia usar aquela #deusnocomando mas eu não sou assim).

Meu aniversário de 31 foi inusitado. O dia, em si, 11 de Junho. Do momento em que eu acordei até o segundo que fechei os olhos para dormir, tive um dia muito, muito inusitado. 

Estava na cidade do Rio de Janeiro, na companhia da minha melhor amiga, Carolina. Havíamos decidido como seria aquele domingo dias antes, mais ou menos assim:

Ca – “E no seu aniversário, melhor, o que você quer fazer?

Eu – “Ah amiga, não sei, quem conhece o Rio é você, você que tem que me falar o que é legal fazer.”

Ca – “Tá, mas o aniversário é seu, então você decide. O que você quiser fazer, eu tô dentro.”

Eu – “Beleza, então quero ir no Cristo. (… 15 minutos de explicação)…e estava muito nublado naquele dia, não deu pra ver nada, e eu era muito nova, não lembro dele direito, foi em 2004 (… mais uns 10 minutos de explicação)…e eu preciso mesmo viver isso de novo porque é uma experiência única, eu acho que as pessoas deveriam ir no Cristo pelo menos uma vez a cada dez anos (…mais 5 minutos de explicação)…então era lá que eu queria ir no meu aniversário!

Ca – “Tá bom, ami. Vamos no Cristo.

Eu – “De bondinho?


Já disse a sorte que tenho de ter a Carolina na minha vida? Ela me levou até o Cristo Redentor no dia do meu aniversário. De bondinho.


Como tudo o que fazemos juntas, aquele momento foi incrível. Mais uma linda lembrança para guardar comigo e carregar pro resto da vida. Eu cheguei no pé da escultura e pensei em tantas coisas. Primeiro, obviamente, tive que me concentrar e tentar esquecer as dezenas de pessoas perambulando ao meu redor, e os corpos deitados no chão pra conseguir o melhor ângulo das fotos dos cidadãos que abriam seus braços em frente ao Todo Poderoso de pedra. 

Concentração, Gisele.

Foi um momento especial, alguns segundos de meditação, pensando na minha vida até aquele momento e no que viria daquele dia em diante.


Trinta e um anos, Gisele. Feliz aniversário!


Passamos bastante tempo lá, conversando, observando a cidade, e obviamente, comprando souvenirs. Mais tarde, fomos à praia, depois jantamos em uma churrascaria. Foi um aniversário inesquecível.


Daquele dia em diante, muitas coisas mudaram, algumas apenas continuaram. Não sei se contei aqui, provavelmente não, mas estou escrevendo dois livros. Um que é uma história bem adolescente, e outro que é uma coletânea das poesias que eu escrevo. Novidade que estou estagnada em ambos? Claro que não.

Escrever, que é algo tão natural e simples para mim, se torna um enorme desafio quando penso que preciso de uma história que deverá, necessariamente, fazer sentido. Um dos motivos por eu desfrutar tanto de escrever aqui no Blog é exatamente a liberdade da falta de compromisso e comprometimento e lógica que ele representa. Hoje eu falo do meu aniversário, amanhã falarei de uma raposa, e nada precisa fazer sentido.

Por isso, acho, o livro de poesias é mais fácil. Os poemas que eu escrevo, os contos, as poesias, os versos, são todos avulsos e livres e representam, cada qual, sua própria história, seu único momento. E, no final, quando juntos, são como uma colcha de retalhos, colorida, confusa e estranhamente aconchegante.

Não deveria ter contado sobre meus livros aqui, e já me arrependi, mas vou publicar o texto assim de todas as formas porque eu sou assim mesmo, prefiro me arrepender do que está feito. O que está feito, está feito. 

Ah! Sobre a raposa?

Não há nenhuma grande história sobra a raposa. Ela olha diretamente em meus olhos todas as manhãs, e no decorrer do dia, com a feição de quem sabe como me questionar. “Até quando, Gisele?

Às vezes, encaro a raposa de volta. Ainda não tenho nenhuma resposta aos seus petulantes questionamentos.

A raposa, antes que comece o burburinho de que estou absolutamente louca, não é nada mais do que o background do meu computador. Ou talvez seja. Ainda não sei.